terça-feira, 5 de abril de 2011

Operadora Oi vendida a Portugal Telecom com dinheiro do Banco do Brasil!

Vale recordar que, em 2005, o deputado Roberto Jefferson já mencionava as íntimas relações de Zé Dirceu com os portugueses:
Casamento do PT com a Portugal Telecom é um golpe de gênio
Vale lembrar os envolvidos no escândalo da megaoperação Brasil Telecom Oi: BrOi, Lulinha, Daniel Dantas, Brasil Telecom, Fundos de pensão, Anatel, Abin, Polícia Federal, Banco Opportunity, Citybank, Portugal Telecom, Telecom Itália... etc., Ganhou a  BrOi o grupo do Jereissati, por operações freudulentas envolvendo o dinheiro público, plano geral de outorgas, e barganhada pelo BNDES e fundos Previ.
HOJE... ABRIL/2011  O Banco do Brasil é quem bancará a Portugal Telecom... Sabem porque não será financiado pelo BNDES? porque  o BNDES está falido, está recebendo as verdas do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). 
Afinal, o Bndes, o Tesouro Nacional e os fundos de pensão das estatais estão aí para obturar as cáries que possam, eventualmente, vir a macular o sorriso de felicidade geral dos envolvidos na foto do aperto de mãos final desta transação.
Zeinal Bava, presidente executivo da Portugal Telecom; Otávio Azevedo, presidente do Grupo Andrade Gutierrez e Pedro Jereissati, vice-presidente do Grupo Jereissati Participações, assinam a parceria
Por trás dessas operações, está a mão (e os pés, o corpo todo, o cérebro, sobretudo) daquele que já foi o ministro mais poderoso do governo Lula, e que ainda permanece sendk poderoso, agora no mundo dos negócios privados (com alguma promiscuidade no governo, que ninguém pode deixar de apelar a quem tem o poder de decidir...).
A complexa estrutura para a entrada dos portugueses na Oi foi costurada em poucos dias, "embora o contato entre os grupos já seja muito antigo”.
O momento em que estaremos entregues a um monopólio.
O projeto de “hegemonia no setor de midia no mundo lusófono” posto em curso em Portugal foi momentaneamente barrado em função do escandalo político provocado pela divulgação pela imprensa de gravações telefonicas em que José Sócrates e seus cumplices tramavam a operação com suas contrapartes no mundo empresarial português, o que fez com que o principal agente “privado” dessa operação, parceiro de velhos tempos do nosso conhecido Jose Dirceu, passasse a concentrar suas atenções no Brasil, na África e no Oriente, enquanto espera a poeira baixar em Portugal. Esse agente lançou aqui o jornal Brasil Economico, comprou o grupo O Dia, lançou jornais em São Paulo e no Rio de Janeiro e tornou-se dono de uma das duas licensas de TV por assinatura do país, usando uma empresa de fachada da qual a mulher de Dirceu é diretora. Não vai parar por aí agora que, detentor de quase 7% da Portugal Telecom, que obteve por meio de expedientes misteriosos que o Parlamento de seu país também investiga, teve o seu cacife enormemente aumentado com a venda da Vivo.
E esse aspecto da questão é certamente muito mais interessante, importante e jornalístico do que as infindáveis especulações a respeito das possíveis vantagens que possam resultar desse complô para os usuários de telefones a que a imprensa brasileira tem se dedicado prioritariamente.

Poderosos portugueses


No topo - Bava: os portugueses estão mandando muito
O deputado Roberto Jefferson afirmou que Dirceu autorizou representantes do PT e do PTB a negociarem recursos IRB (Instituto de Resseguros do Brasil) com a presidência da empresa Portugal Telecom para acertar dívidas dos dois partidos. O petebista, inclusive, envolveu o presidente Luiz Inácio Lula pela primeira vez em suas denúncias, declarando que o chefe de Estado "avalizou" a referida reunião.
http://diplomatizzando.blogspot.com/ http://noticias.terra.com.br/brasil/crisenogoverno/interna/0,,OI614014-EI5297,00.html